Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha

Data é um marco do protagonismo das mulheres negras na luta feminista e antirracista

Há 29 anos, acontecia um encontro de mulheres, em Santo Domingos, na República Dominicana, para discutir e lutar contra as opressões que afligem as mulheres negras. Desse encontro, nasceu um movimento potente que hoje é uma referência na luta feminista e antirracista: o Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha, comemorado em 25 de julho.

A Fundação Verde Herbert Daniel perguntou para a educadora Gina Vieira Ponte, afrodescendente e autora do maravilhoso Projeto Mulheres Inspiradoras, qual é a importância dessa data. Ela enfatiza que as mulheres negras são a base da sociedade brasileira, por isso essa se tornou também uma data para homenagear Tereza de Benguela, símbolo da resistência e da luta dos negros no Brasil.

Por Caroline Cardoso

Confira no vídeo.

Dicas verdes

Livros

Norma Diana Hamilton. Feminismos e literatura contemporânea: Toni Morrison e outras escritoras feministas negras. Vinhedo: Editora Horizonte, 2020.

Jarid Arraes. Heroínas negras brasileiras em 15 cordéis. Rio de Janeiro: Editora Seguinte, 2020.

bell hooks. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Rio de Janeiro: Rosa dos Ventos, 2018.

Joyce Santos Silva. Rainha Tetê: a história de Tereza de Benguela. Publicação independente, 2017.

Ana Maria Gonçalves. Um defeito de cor. São Paulo: Record, 2006.

Vídeos

Entrevista com Gina Vieira Ponte (2017)

Projeto Mulheres Inspiradoras é tema do Educação no Ar

Ministério da Educação

Mulheres na História #27: Tereza de Benguela, uma rainha negra no Mato Grosso (2020)

Canal História e tu

CONTATO

    ASSINAR E-MAIL

    Inscreva-se com seu endereço de e-mail para receber notícias e atualizações.

      © 2021 Lavorare / websytes

      Pesquisar